Odd-Thomas
Dirigido por Stephen Sommers

Em uma cidade pequena, um jovem vidente tenta impedir uma tragédia.

Primeiramente, um pedido de desculpas pelo sumiço (as atividades voltam ao normal no Muito Molho a partir de hoje) e outro pedido porque há algum tempo, eu reclamei da falta de opções da sessão de terror do Netflix. Foi uma injustiça considerando que agora, após uma pesquisa mais abrangente, eu constatei que a proporção entre o que vale a pena e o que nem deveria existir está bem balanceada. O Estranho Thomas é um filme pequeno, sem grandes novidades, mas que se encaixa na categoria merecedora de conferência, como muitos no canal de filmes. A história é simples, mas bem executada e foi capaz de atrair atores conhecidos para papéis de importâncias variadas no elenco. Assusta, mas não dá muito medo. Prende a atenção, diverte e mesmo que os efeitos especiais não sejam tão especiais, o filme tem uma das cenas de explosão mais interessantes que eu já vi.

O protagonista é um jovem cozinheiro chamado Odd Thomas (era pra ser Todd, mas o povo do cartório quis zoar com o moleque). Ele poderia ser um chef, em um restaurante com um salário à altura da sua competência, ou poderia ir morar em qualquer lugar que quisesse, mas Thomas prefere menos responsabilidade e os índices de mortalidade da sua cidadezinha, por conta de uma habilidade que ele não escolheu, mas que abraçou como uma missão divina. Odd consegue ver gente morta, mas ao contrário do menininho de O Sexto Sentido, ele não teme os espíritos e nem os maus elementos que causaram as mortes. Ele enxerga as vítimas, o que aconteceu com elas e se certifica de que os assassinos sejam levados à justiça. Manter a boa forma física é indispensável, assim como é manter o lado público da vida em harmonia.

Odd Thomas 2

Thomas sai no tapa com os bandidos sempre sozinho, mas tem um amigo fiel e ciente da paranormalidade no departamento de polícia. Ele também conta com o apoio da namorada, que está ao seu lado desde a infância. Me incomodou um pouco que ele fosse tão seguro e tão feliz com suas escolhas, porque eu confio em tudo o que o cinema de terror me ensinou sobre videntes. O costume é que pessoas envolvidas em atividades tão fúnebres, sejam cercadas por intolerância e vivam na solidão, mas o máximo de hostilidade que o rapaz sofre são comentários sussurrados de gente que não vive para atormentá-lo. Eu não estou reclamando da nova abordagem ao estilo de vida, porque a minha predileção por terror não tem nada a ver com querer ver gente sofrendo. Só que a diminuição dos obstáculos no caminho do personagem principal, poderia significar um grande problema no roteiro, se ele tivesse sido mal feito.

Thomas tem tantas habilidades dentro dos seus poderes, que parece até uma vantagem injusta em relação aos oponentes que cometeram um crime, ou que estão ainda na fase de planejamento, como é o caso de um forasteiro cercado por maldade, que Thomas consegue identificar, localizar em qualquer canto e neutralizar a qualquer momento, se sentir a necessidade. Essa superioridade do vidente faz com que o filme perca um pouco do rítmo, logo quando um vilão interessante aparece. Mas felizmente, diante de uma provável batalha do bem contra o mal, a sensação de facilidade excessiva desaparece, assim que percebemos que mesmo que o rapaz consiga ver até porções claras do futuro, nada é tão simples quanto se espera. O que eu estou tentando dizer é que o filme está longe de ser previsível. Até quando antecipamos alguns acontecimentos corretamente, ainda somos surpreendidos com o modo como tudo se desenrola.

odd thomas

O Estranho Thomas é em partes iguais um terror, uma comédia e um romance. Não é pra dar gargalhadas ou morrer de medo, mas é incrível quanta torcida o filme arranca com um casal que já está junto há anos. O filme possui alguns sustos e é cheio de ação, mas o que chama a atenção é que a grande trama que une os personagens, envolve a tentativa de desvendar os preparativos para assassinatos em massa, cada vez mais comuns em todo o mundo. Anton Yelchin, o ator que faleceu este ano de forma trágica, está ótimo no papel do herói que enxerga tudo, menos uma cantada óbvia. Odd Thomas é o salvador da era moderna, já que seria a melhor coisa ter alguém com o talento dele para prevenir tragédias. É uma pena que o filme não teria uma sequência, mesmo merecendo uma, independente da ausência do ator, já que o desempenho nas bilheterias foi muito fraco. Culpa de gente que fica por aí, descartando bons filmes por falta de informação, como eu.

Advertisements