the-witch-poster
Dirigido por Robert Eggers

Uma família de peregrinos, isolada no centro de uma floresta, desperta o interesse de uma bruxa.

Existem pessoas religiosas e existem aquelas cuja relação com o divino ultrapassa os limites do bom senso. O filme começa com o que deveria ser uma família sendo expulsa de uma comunidade de agricultores inglesa recém-assentada nos Estados Unidos, mas não se pode expulsar quem já estava planejando ir embora. William ama o livro sagrado e não aceitará interpretações sobre ele que não sejam fiéis. Junto com a esposa Katherine, a filha Thomasin, o filho Caleb e os gêmeos Mercy e Jonas, ele coloca seus poucos pertences em uma carroça e sai do vilarejo com a cabeça erguida, como um símbolo de um homem que não “comprometeu a fé” como aqueles que ficam para trás, exercitando a política da boa vizinhança. A família se afasta o máximo que pode e se instala em uma pequena propriedade de recursos modestos. Em pouco tempo, eles recebem mais um filho e em menos tempo ainda, o pequeno Sam desaparece sem deixar rastros, de uma maneira que só pode ter explicações sobrenaturais.

A Bruxa tem tudo para ser O Iluminado desta geração, porque além de uma história aparentemente simples, interrompida vez ou outra por sequências arrepiantes que geram mais perguntas do que respostas, o filme é envolto em uma atmosfera de pura maldade onde nada é sagrado, das relações entre os familiares à floresta que os cerca. Tem até uma jovem/velha seduzindo gente aqui também. Em meio à cenas que se transformam em ícones do terror à primeira vista, tudo é cinza e o clima é sempre um momento entre “antes que a chuva caia” e “inverno pra valer”. Ninguém quer estar alí, não existe lugar seguro e o terror salta fora do filme, para dentro do subconsciente do público. Sem sustos baratos, sem clichês e com um desenvolvimento imprevisível até para quem tem algum conhecimento sobre os infames julgamentos das bruxas de Salem, conduzidos de verdade durante a mesma época e pelo mesmo tipo de gente retratada no filme.

Untitled20158211416705

Saindo da sala lotada no final da última sessão, além do sentimento de raiva geral da galera em relação aos adolescentes faladores da plateia, tinha uma mistura de confusão mental e decepção no ar, que só reforçam para mim as comparações com O Iluminado. O problema é que muita gente foi ao cinema imaginando algo do tipo “Bruxa de Blair – A Origem” e poderia até ser, se simplificarmos nossas emoções em relação ao filme e ignorarmos que ele é baseado em contos e relatos de um povo que se guiava pela superstição, e que foi bem longe por causa dela, queimando vivas as jovens que levantavam as mais absurdas suspeitas. A indefinição em relação ao significado da história não é a questão primária, apesar do surgimento de teorias por aqueles entre nós que amaram o filme, mas sim a capacidade da história de permanecer em nossas mentes, por anos que estão por vir, eu imagino, se modificando e nos modificando a cada reflexão. A nossa perplexidade no final do filme, pelo excesso e pela falta de informação em partes distintas, é um sinal de que os fãs do terror são vistos com muito respeito e o que é obscuro no filme, não o é por preguiça e vem com um convite para ser decifrado.

A linguagem antiga chama a atenção, ainda mais quando pronunciada com tanta naturalidade por atores tão jovens. O elenco está muito seguro em cada papel e nos convence que são todos ao mesmo tempo vítimas e opressores. As preces são longas e consideradas a cura para todos os males, em uma família devastada pela perda recente e inexplicável. Quando Deus opera por caminhos misteriosos demais, até para quem crê com uma devoção doentia, o que toma conta da família é a histeria coletiva, com acusações e ameaças. O medo os transforma em seres assustadores uns para os outros, mas para quem assiste, cada sentimento prejudicial é compreensível diante das circunstâncias. Já que nenhum deles representa o perigo definitivo, resta à bruxa o papel de vilã.

1452614308-the-witch-trailerPara mim A Bruxa tem dois filmes de terror acontecendo ao mesmo tempo, brigando para ver qual é o mais relevante. A primeira história fala sobre isolamento e sobrevivência sob condições extremas, com a fome se aproximando e a fé como a única certeza. Sobre crescer e viver em um lugar onde não há meio termo entre as obras celestiais e as obras demoníacas. A segunda história acontece após os corpos serem encontrados, ou não, pelos peregrinos que ficaram para trás. Para evitar outros dissidentes, exemplos precisam ser feitos e eis que surge a lenda da excomungada família de hereges que nem sobrenome tinha e que sem a proteção do coletivo, se tornou presa fácil para a bruxa que vive na floresta. O filme pode não ser sobre Blair, mas pode sobre a origem de outra coisa, como por exemplo, o início da superstição e do preconceito entre iguais, com consequências catastróficas para cabras, aves e coelhos de determinadas cores, e com a culpa sempre caindo em cima de debutantes inocentes.

Advertisements