Dirigido pelos irmãos Dowdle
Dirigido pelos irmãos Dowdle

A trajetória de um serial killer, mostrada através de um falso documentário.

 

 

 

 

Ninguém se incomodou em dar um nome em português para este filme, que é pouco conhecido, até entre fãs do gênero. Ainda bem que as video locadoras estão em extinção. Já imaginou pedir uma fita com este título no balcão? Duvido que o balconista me entenderia na primeira pronúncia.

Não há nada a ser feito e ninguém para ser salvo. Tudo o que tinha para acontecer de ruim, já aconteceu. O assassino, só deixou para trás os corpos e o registro da sua obra macabra, em fitas de vídeo muito mal conservadas. O filme parece um reality show, como os programas policiais da tv a cabo. Depoimentos de familiares, análise de especialistas e dramatizações. Se alguns atores fossem menos teatrais, o filme poderia passar por um documentário de verdade.

Poughkeepsie-tapes1Em uma casa abandonada, a polícia encontrou a autobiografia de um monstro, que aterrorizou a cidade de Poughkeepsie por uma década. Não foi o suficiente sequestrar e matar homens, mulheres e crianças. O psicopata manteve um acervo audiovisual, com centenas de fitas vhs, onde ele mostra como escolheu algumas vítimas, teve sorte com outras e despistou a polícia, matando aleatoriamente. Ele foi discreto, a ponto de ter que praticamente entregar as fitas para as autoridades, para que tantos desaparecimentos e mortes, fossem pelo menos, atribuídos a uma só pessoa.

O conteúdo das fitas não é tão chocante, porque a qualidade dos vídeos é péssima, propositalmente. O objetivo não era inovar. Os realizadores conhecem o seu público e sabem que todos que se submetem ao filme, já se graduaram com louvores nas obras obrigatórias, contendo tortura, morte e exibições desrespeitosas de cadáveres. Para aqueles de nós que suportam qualquer bizarrice, desde que seja de mentirinha, uma mistura bem-sucedida de ficção com realidade, é de vez em quando, mais assustadora do que uma mistura de artesanato com corpos alheios.

The Poughkeepsie Tapes faz um ótimo trabalho com a reputação do seu vilão. Ele não é um Hannibal Lecter em termos de serenidade. Sua personalidade, lembra a de tantos fanfarrões mal educados, furadores de fila. Mesmo sem matar, ele já seria um tremendo babaca, na melhor das hipóteses. Na pior das hipóteses, que é o caso, não conseguimos deixar de tremer, quando as lentes de sua câmera focam em qualquer inocente. É um homem perigoso.

Poughkeepsie-tapes2Existe medo antes de cada fita ser mostrada. Antes que qualquer vítima nova seja introduzida, acompanhamos o testemunho dos que chegaram a cometer erros fatais, sendo enganados pelo serial killer. Um médico forense descreve em que condições certos corpos foram encontrados, ou um agente federal dá detalhes da frieza do assassino. Não precisamos de sangue, temos expectativa. A cena mais tensa em todas as fitas, envolve biscoitos, uma mesa de centro viva e duas vítimas em potencial, escapando por um triz. É doloroso ver pessoas comuns, lembrando amigos e familiares, sofrendo sem culpa nas mãos de um homem sádico, que abdicou de um modus operandi, para se tornar uma lenda.

Se este fosse realmente um programa de tv, sobre crimes reais ou inventados, não seria estranho sentir aquele desejo de seguir uma carreira perseguindo bandidos. É uma caçada que provoca indignação, mas no caso do filme, não é pelo número de corpos, mas pela verdadeira definição do termo “sem consciência”. O que The Poughkeepsie Tapes mostra, é que se ocupar de gente ruim, não é uma tarefa para qualquer um. Nesta história, o alvo não é um adversário a ser derrotado, mas alguém de quem nem mesmo queremos ouvir falar.

Advertisements