Dirigido por Marcel Sarmiento e Gadi Harel
Dirigido por Marcel Sarmiento e Gadi Harel

Dois adolescentes descobrem uma zumbi no porão de um hospício abandonado.

 

 

 

 

 

JT e Rickie matam aula, após um alarme falso de incêndio na escola. Sem nada melhor pra fazer, eles resolvem encher a cara de cerveja quente, em um hospício desativado. Explorando o local, eles encontram o que parece ser o cadáver de uma garota, enrolada em plástico e presa a uma cama pelos pulso, até que a morta começa a se mexer. Rickie, que está tão assustado, que se pudesse, voltaria no tempo e correria pra aula, sugere que eles soltem a mulher e fujam dali, mas JT quer… ficar com ela.

deadgirl2Existe crime quando não há vítima? Quer dizer, a vítima está lá, mas ela não é mais humana. Sim, necrofilia é crime, na verdade, JT estava determinado a manter para si, o que pensava ser uma moça indefesa, antes de entender o que ela era, ou seja, cárcere privado e estupro já o colocam em uma categoria desprezivel. As frustradas tentativas de assassinato, dão a ele uma desculpa para escravizar o que ele vê como um objeto, mas não é como um objeto que qualquer estuprador vê a sua vítima?

Com uma diferença moral tão gritante, os jovens brigam, mas permanecem juntos. Mesmo poque Rickie, assim como nós, sabe que o desastre está a caminho, mas ainda quer ver como ele vai acontecer. Os pais dos dois não aparecem no filme. Os adultos que os cercam, só dão orientações que não fogem do lugar-comum, como frases batidas do tipo “diga não às drogas”. Não existe um norte, só bagunça.

Com a diversão presa no hospício, JT fica obcecado e nem aparece mais na escola. Depois de algum tempo, apesar de não ser um zumbi, ele começa a agir como um. Rickie, que deveria ser o ajuizado da dupla, não é um santo. Sua obsessão é uma garota da escola e por causa dela, ele que sempre quis fazer a coisa certa, acaba usando a morta como um instrumento de vingança. Nesta mesma cena, JT, o predador, demonstra desconforto com a situação, pela primeira vez desde que tudo aconteceu.

deadgirlAlém de um cão raivoso, que aparece de vez em quando, sem deixar claro se quer proteger a garota ou protegê-los dela e um terceiro amigo, que foi convidado mas só causa problemas, JT ainda tem que lidar com o mal cheiro que a morta está começando a exalar. É um alívio perceber, que com uma simples mordida, ele resolve o problema da decomposição, fabricando mais garotas mortas.

Deadgirl expõe um fato preocupante. Adolescentes raramente pensam nas consequências de sua má conduta, principalmente se acreditam que não haverá punição. Não estamos testemunhando apenas, o que um desajustado apronta quando não tem ninguém olhando, mas o que é preciso para que uma pessoa sensata se torne um desajustado. No final, a origem ou o destino da garota morta, não interessam tanto quanto saber que JT não é um personagem tão longe da realidade, ou que custou muito pouco para Rickie, perder os princípios aos quais ele tentou se agarrar durante o filme inteiro.

Advertisements